quarta-feira, 30 de setembro de 2015

Ramesh S. Balsekar - Mumbai, 25 de julho de 2006


Ramesh: Então, quem vai começar? Seu nome é?

[Suhas Godbole e Kalpana Godbole]

Suhas: Venho aqui pela primeira vez. Fui convidado por Vipul.

Ramesh: Sei.

Suhas: Eu queria perguntar uma coisa simples. É necessário, para um ser humano que queira levar uma vida feliz e disciplinada, seguir uma religião?

Ramesh: Não! O que você quer dizer com religião?

Suhas: A minha segunda pergunta era essa mesma. Qual é o significado de religião? De espiritualidade e do Dharma?

Ramesh: A religião tornou-se um código de conduta. De acordo com determinados conceitos. Isso é o que ela se tornou. A religião original foi perdida, o que o homem sentia em outros tempos foi perdido nos rituais subsequentes e no conceito de certo e errado.
Sendo assim, com o que estamos preocupados? Essa é a minha questão central. Você tem sido um buscador espiritual? Desde quando você lembra ter sido? A partir de um determinado momento? Nove anos, doze anos ... Em sua infância, você tinha dúvidas que as outras crianças não tinham? Quando isso começou?

Suhas: Por volta de seis anos de idade.

Ramesh: Isso é o que eu quero dizer. Como isso começou? Com perguntas, para as quais os mais velhos não tinham quaisquer respostas? Há quanto tempo está casado?

Suhas: Dez anos.

Ramesh: Tem filhos?

Suhas: Uma filha.

Ramesh: Então, como a busca espiritual se tornou ativa? Você começou a ler alguns livros ou foi até alguém?

Suhas: Por volta dos vinte e quatro. Minha avó costumava fazer kirtan, Jnaneshwari e eu costumávamos ir com ela e eu me sentava lá na frente. Depois do kirtan todo mundo ia se curvar perante ela e eu me sentia ótimo por minha avó estar sendo respeitada, mas foi assim que tudo começou. Eu não estava satisfeito só com aquilo.

Ramesh: Então, quais livros você leu?

Suhas: Eu tenho lido Ravi Shankar, Osho. Não sou muito ativo como buscador espiritual.

Ramesh: E o que você faz para viver?

Suhas: Eu sou médico homeopata.

Ramesh: Entendo. E no seu caso?

Kalpana: Reconheço esse aspecto espiritual desde dez, doze anos.

Ramesh: Você já leu coisas de alguém ou foi a algum lugar?

Kalpana: Eu estou unido à família da Arte de Viver.

Ramesh: Entendo. Agora, Arte de Viver. O que é a arte de viver? Se eu lhe perguntar em primeiro
lugar, existe uma arte de viver?

Suhas: (Risos) Não, todo mundo tem sua própria arte de viver.

Ramesh: E, você já leu alguma outra coisa?

Kalpana: Eu tenho lido J. Krishnamurthy.

Ramesh: Quais livros?

Kalpana: A primeira e última Liberdade e ...

Ramesh: O Despertar da Inteligência?

Kalpana: Sim.

Ramesh: Então, o que você acha que Krishnamurthy está tentando lhe dizer?

Kalpana: É muito difícil de explicar.

Ramesh: É difícil de explicar? E difícil de compreender também?

Kalpana: Sim, difícil de entender também.

Ramesh: Vou dizer-lhe com o que eu lido. A questão focal é: pessoas como nós, razoavelmente confortáveis na vida – que por sinal temos de ser eternamente gratos a Deus por isso, pois existem milhões abaixo da linha de pobreza -  na vida diária, nós temos o senso comum de saber que ninguém sabe o que o próximo momento trará. Às vezes, prazer, às vezes dor. Ninguém pode saber o que o próximo momento trará. De acordo com o meu conceito, ninguém pode saber a quantidade total de prazer que posso esperar da minha vida ou a quantidade total de dor que posso esperar da minha vida. Meu conceito é que isso está pré-determinado. Seja qual for o montante total de prazer na minha vida, isso é predeterminado. Qualquer que seja a quantidade total de dor na minha vida isso é predeterminado. Esse é o meu conceito. Assim, de acordo com o meu conceito, é completamente inútil ir até qualquer pessoa ou orar para qualquer Deus com a ideia de meu prazer ser aumentado ou a minha dor ser reduzida. Assim, com este entendimento, o que alguém como nós, que estamos razoavelmente confortáveis na vida, mais queremos na vida? Não estou preocupado com a religião. É com isso que estou mais preocupado. Portanto, em primeiro lugar estou preocupado com estar confortável na vida. Em segundo lugar, com a vida diária. Então, minha pergunta é, o que é que alguém que está razoavelmente confortável na vida, quer mais, em sua vida diária? Essa é a minha pergunta principal. Não há nada de religioso ou espiritual sobre isso, mas essa é a minha preocupação. O que queremos mais? Ou em outras palavras, o que estamos procurando? Esse é o meu ponto. O que você acha?

Suhas: Eu acho que nem espiritualidade é necessária nem a religião, então ...

Ramesh: Concordo inteiramente. Na verdade, acho que o ser humano seria muito mais feliz se ele não tivesse religião. Mas, de acordo com a vontade de Deus, com a lei cósmica, não cabe à maioria dos seres humanos serem felizes. Por isso, eles são carregados com a religião. De acordo com a vontade de Deus, com a lei cósmica. Mas, somos livres para escolher! Podemos decidir, não é mesmo, ‘eu não quero nenhuma religião’. Então, o que você mais deseja na vida? Com o entendimento de que você não pode saber o que o próximo momento trará, por vezes,  prazer, por vezes dor, ou, você não pode saber a quantidade total de prazer que você vai ter na vida ou a quantidade total de dor. Isso é algo que você tem de aceitar como o básico. Em outras palavras, cada ser humano tem de viver sua vida, em circunstâncias sobre as quais ele não tem controle, por isso, enquanto estamos sendo forçados a viver nossas vidas, nas circunstâncias em que fomos colocados, o que faz alguém como nós, razoavelmente posicionados na vida, querermos mais? Essa é a minha pergunta. Nada essencialmente espiritual sobre ela. O que você diria? Qual é a resposta? Deixe-me colocar desta forma, se Deus viesse até você e perguntasse qual é a única coisa que você quer, o que você diria? Pense o que quiser, e eu tenho pensado muito nessas linhas, e a única resposta que cheguei foi: ter paz de espírito. Prazer no momento, não há dúvidas, eu aprecio. Dor no momento, eu não gosto, mas não há nada que eu possa fazer sobre isso. A vida diária significa desfrutar de prazer ou de sofrer dor.
Portanto, minha pergunta é, o que eu mais quero na vida? Vou passo a passo. Relaxe. Em qualquer dado momento, estou ou tendo algum tipo de prazer ou de dor. Então, seja o que for, esteja desfrutando de um prazer ou sofrendo alguma dor, o que eu quero mais? Repito, para começar, eu quero mais prazer e menos dor, mas isso não pode ser feito, portanto, jogue pela janela essa hipótese. Com esse entendimento, que ninguém pode aumentar o meu prazer ou diminuir a minha dor, o que eu mais quero na vida? Pense o quanto quiser. A única resposta que eu cheguei é, enquanto eu estou desfrutando o prazer, eu não gostaria que o prazer fosse quebrado. Enquanto eu estou sofrendo alguma dor, eu não gostaria que a dor se intensificasse. Não pode ficar mais simples do que isso. Concordam?

Suhas: Sim.

Ramesh: Agora, o que pode quebrar o seu prazer?

Suhas: Um pensamento que ele pode interrompe-lo.

Ramesh: Um pensamento, sim. Um pensamento surge. Agora eu estou tendo prazer. Hoje à noite, o meu prazer será dobrado. Ou, agora eu estou com dor, mas pode não durar muito. Mais dez minutos. Isso também é um pensamento. Eu concordo. Então, qual é o pensamento que pode quebrar o meu prazer ou intensificar a minha dor? Pense o quanto quiser. O pensamento que pode quebrar o meu prazer é um pensamento que houve algo que fiz, por exemplo, para meu pai, mãe, esposa ou um amigo querido, 'ele nunca me perdoou’. Eles podem até ter dito que perdoaram, mas sempre tiveram isso contra mim. Obviamente, eu não tive a intenção de fazê-lo, considerando a minha ação, mas desde aquele dia a memória dessa ação quebra meu prazer e intensifica a minha dor. Ou, algo que alguém fez para mim, um querido amigo meu. Eu confiei nele e ele me desapontou. Ou ele me machucou. Eu nunca o perdoei. Em outras palavras, o meu ponto é, a vida diária baseia-se na relação entre o eu e o outro. De manhã até a noite, o que é a vida diária? A relação entre o eu e o outro. O outro pode ser alguém perto de mim, minha esposa ou filho ou alguém ligado a mim por negócios ou profissão, ou, um total estranho. Quem será, durante o decorrer do dia, ninguém sabe. Você abre a porta e há alguém ali com uma faca em suas mãos. Assim, meu ponto é, o que destrói o meu prazer é, algo que eu fiz para o outro, ou, o pensamento de que alguém fez alguma coisa para mim. Não é verdade? Pense o quanto quiser.
Esta é a resposta que você irá chegar. E, você não pode parar o surgimento dessa memória. Portanto, a próxima pergunta seria: como ter uma relação harmoniosa com o outro. A fim de ter paz de espírito, a minha relação com o outro deve ser harmoniosa. No momento não é harmoniosa por causa dos pensamentos, ‘ele pode fazer alguma coisa para mim’ ou ‘eu posso fazer alguma coisa para ele’. A minha conclusão é - a fim de ter paz de espírito devo ter uma relação harmoniosa com o outro. Quem quer que seja o outro, um parente próximo ou um estranho total. A minha próxima pergunta é: Por que a minha relação com o outro agora, não é harmoniosa? Passo a passo. É uma resposta simples. Porque o outro, nem sempre vai fazer o que eu quero que ele faça. Pode haver uma resposta mais simples? Até mesmo minha esposa e filho nem sempre vão fazer o que eu quero que eles façam. E, também sei que é estúpido esperar que eles sempre façam o que eu quero que eles façam. Então há o beco sem saída. Será que isso significa que não podemos ter paz de espírito? Isso também não é verdade. Sabemos que existem algumas pessoas que são transparentemente felizes. E é impossível imaginar que não pode haver pessoas que tenham paz de espírito. É aí que o beco sem saída veio. Eu estou lhe dizendo tudo isso a partir da experiência real, pessoal. Caso contrário, você vai encontrar centenas de livros, Arte de Viver, ciência da vida ... Eu estou dizendo a você da experiência real, pessoal. Este é o ponto onde cheguei num beco sem saída. Assim, a fim de ter paz de espírito, nós temos que ter uma relação harmoniosa com o outro.
Basicamente, qual é o condicionamento que cada criança recebeu? Em casa, na sociedade, na escola, em qualquer lugar. Por centenas de anos, qual é o condicionamento que uma criança recebeu? Na escola, você deve estar no topo de sua classe! Se não o topo, pelo menos entre os primeiros três ou quatro. Nas brincadeiras, você tem que jogar para ganhar! Não para desfrutar do seu jogo, mas para ganhar. Na escola, não para desfrutar do seu estudo, mas para deixar o outro para trás. Para cada criança, durante centenas de anos, o condicionamento foi: o outro é um rival em potencial. O outro, pode ser um irmão, pois há rivalidade entre irmãos o tempo todo. Mesmo entre irmãos, há rivalidade. O que estou dizendo é que o condicionamento é tal na vida que, para vencer na vida, você deve ganhar do outro. Esse é o condicionamento. O outro é um rival em potencial. Levando um pouco mais longe, o outro é um inimigo em potencial. O que significa que sempre teremos medo do outro. Com esse entendimento, jamais poderemos ter a paz de espírito? Isso também não é verdade. Então eu não posso ter paz de espírito porque não posso ter relações harmoniosas com o outro. E ainda, eu sei que eu posso ter paz de espírito. É nesse ponto que estive preso por algum tempo. Em seguida, a resposta veio para mim, mais uma vez, pela graça de Deus, que eu posso ter paz de espírito somente e apenas se eu puder aceitar totalmente o meu conceito - de que tudo o que acontece no mundo está acontecendo de acordo com a vontade de Deus, com a lei cósmica. A ação que acontece através da pessoa ou do organismo corpo-mente, novamente está de acordo com a lei cósmica.
Nenhuma ação está no meu controle, seja qual for a ação que esteja acontecendo em qualquer organismo corpo-mente, seja como afete e a quem afete, para melhor ou pior, se tenha ocorrido para ferir alguém ou ajudar alguém. Acontece de acordo com a vontade de Deus, com a lei cósmica e o destino da pessoa em causa. Em outras palavras, ninguém, nenhum ser humano, é capaz de fazer qualquer coisa. Tudo acontece de acordo com a vontade de Deus, com a lei cósmica. Portanto, eu posso ter paz de espírito apenas se eu puder aceitar totalmente que tudo acontece de acordo com a lei cósmica. Então o que acontece? Se eu sou capaz de aceitar isso totalmente, então, naquele instante, todo o meu fardo de culpa e vergonha que tenho carregado por minhas ações que feriram o outro, mesmo uma carga maior de ódio contra o outro pelo o que ele tenha feito para mim, toda a carga desaparece. Se nenhum ser humano pode fazer coisa alguma, se eles são meros instrumentos através dos quais a vida acontece de acordo com a vontade de Deus, com a lei cósmica, se eu puder aceitar isso totalmente, então onde estará a questão do meu sentimento de culpa por ações que aconteceram através deste organismo corpo-mente? Antes que eu tivesse esse entendimento total, como era a minha reação com alguém quando eu ficava machucado? Muito simples, ele me machucou, eu o odeio. Agora, com esse entendimento, qual é minha a reação se estou ferido? Mais uma vez, minha reação é extremamente simples. Minha reação é - o que me machuca é um acontecimento, o que tinha que acontecer e acordo com a vontade de Deus e que tinha de me machucar estava de acordo com a vontade de Deus e com meu destino.
Um acontecimento ocorre, o qual me ajuda, anteriormente, eu costumava sentir que ele era um amigo meu! Ele me ajudou. O que ocorreu é que uma determinada ação aconteceu através de um organismo corpo-mente, de acordo com a vontade de Deus. Ser ajudado estava no meu destino. Então agora esse é o meu entendimento, que um acontecimento ocorreu que me ajudou e que era o meu destino. Através de que pessoa aconteceu é irrelevante. Portanto, a questão de odiar alguém ou amar alguém não surge. Em outras palavras, se eu sou capaz de aceitar totalmente que cada pessoa é um instrumento através do qual a vida acontece, de acordo com a vontade de Deus ou com lei Cósmica, não há nenhuma questão de eu odiar-me por aquilo que fiz ou odiar outra pessoa por aquilo que ela fez. Então, como você acha que foi minha reação quando cheguei a essa conclusão de maneira firme? Qual você acha que foi minha reação? Chorar? Felicidade? Foi ansiedade. A minha reação foi a ansiedade. Como é possível para eu viver a minha vida em uma sociedade que insiste em me punir por ações que a sociedade considera como sendo minhas ações? Se eu disser a eles que não são minhas ações, eles não vão acreditar em mim. Pergunta válida, não é? Eu estava confuso e ansioso. Como é possível para mim viver a minha vida com uma compreensão total de que eu não sou o autor das ações em uma sociedade que insiste em me punir por uma ação que eles consideram minha?

E da mesma forma, a sociedade vai me recompensar por uma ação que consideram ser minha. Não é uma questão válida? Então isso que me incomodou. Um conceito adorável, belo conceito. Que mesmo um idiota vai aceitar intelectualmente. Isso significa não ter mais o peso da culpa e do ódio. Mas é um conceito prático? A minha resposta foi, não. Então, novamente, como sempre tem acontecido, a resposta veio. É precisamente esse o conceito que o Buda deu, em suas palavras, é claro. As palavras do Buda me disseram, "os eventos acontecem, as ações são feitas, as consequências acontecem. Não há autor individual das ações." Esse era o seu conceito, mas o significado é o mesmo. Nenhum indivíduo é capaz de fazer qualquer coisa. Então, eu fiquei muito aliviado. Mesmo o Buda tinha esse conceito, e mais importante, viveu este conceito por um longo tempo. Então eu sabia que era totalmente prático para qualquer um viver esse conceito sem qualquer problema, com a total aceitação de que ele não é o autor. E, desde então, minha experiência tem sido que eu estava certo. E o Buda viveu, e eu também nos últimos vinte anos ímpares, vivi minha vida com a aceitação total que eu não sou o autor, com a sociedade me punindo por aquilo que a sociedade considera como minhas ações. Você sabe como? Vou dizer-lhe. O que é a vida diária? Qual é o mecanismo da vida diária? O que você diria? Seu nome é?

Suhas: Suhas.

Ramesh: Suhas. Então, seja Suhas ou Kalpana ou um homem das cavernas há cinco mil anos, ou qualquer um no futuro. Qual é a essência do mecanismo da vida diária? Repito, para qualquer um de cinco mil anos atrás, eu e você, ou para qualquer um no futuro, o mecanismo da vida diária tem de ser o mesmo! E qual é o mecanismo da vida diária? O mecanismo da vida diária, para qualquer pessoa em qualquer momento, é que a pessoa tem de lidar com a situação em que ele ou ela se encontrar. Todo o ser humano, em determinado momento tem de lidar com situações. Esse é o cerne da vida diária. A situação do homem das cavernas, totalmente diferente da minha e da sua, mas ainda assim, a situação é que o homem das cavernas tinha de lidar com qualquer situação que ele enfrentava, temos de lidar com a situação que enfrentamos. Esse é o cerne da vida diária. E o que é lidar com a situação? Lidar com a situação só pode significar - em tal situação, o que eu quero? Eu decido o que eu quero. E eu faço o que eu decidir fazer, a fim de conseguir o que quero. Não é esse o núcleo do mecanismo da vida diária? O que significa que, todo mundo tem de ter livre-arbítrio total para fazer o que quiser fazer, nas dadas circunstâncias. Portanto, o mecanismo da vida diária é, todo ser humano tem o direito de fazer o que ele ou ela quiser na determinada situação em que se encontrar. Portanto, qual é a nossa experiência? A experiência de todos é termos feito tudo o que eu queríamos fazer nas circunstâncias que enfrentamos, com todo o livre arbítrio, o que acontece depois disso?
A partir de então, nas palavras do Buda - consequências. "Ações são feitas, as conseqüências acontecem." Consequências das ações de todos acontecem. Mas o que essas consequências são, ninguém nunca teve nenhum controle sobre o que acontece. Então, qual é mecanismo da vida diária? Ninguém tem qualquer controle sobre o que acontece. Fato da vida! Para colocá-lo em outras palavras, a vida diária não pode acontecer, a menos que eu tenha livre-arbítrio total. De acordo com esse direito, após eu ter feito o que eu queria fazer, depois disso, só a vontade de Deus prevalece. Isso é um fato da vida. Tendo feito o que queria fazer, o que acontece? Uma destas três coisas acontecem. Às vezes eu consigo o que eu queria. Às vezes eu não. Às vezes o que eu queria, estava além das expectativas: geralmente para pior, às vezes para melhor. Além das expectativas. E, posteriormente, a sociedade em que vivo, não sabe o que eu fiz. A sociedade só pode aceitar o que aconteceu, uma das três coisas, julga minhas ações como boas ou más, me premia ou me castiga. E tendo que continuar a viver na sociedade, eu tenho que aceitar o veredito da sociedade. Recompensa da sociedade tem significado prazer no momento. Punição da sociedade tem significado dor no momento. E essa é a essência da vida. Às vezes, o prazer, às vezes dor. E o que é decidido pela sociedade, que funcionará sob a lei cósmica. Isso é toda a vida diária. Sobre o qual ninguém pode fazer nada.
Desse modo, tenho vivido os últimos vinte estranhos anos, apreciando as recompensas conferidas a mim pela sociedade, sabendo que eu não sou o autor, então eu aprecio qualquer prazer que vem para mim, com um certo divertimento, sabendo que eu estou sendo recompensado por algo que eu sei que eu não fiz. Dores acontecem, sou forçado a aceitar o sofrimento. Nos últimos vinte anos tenho apreciado prazeres e sofrido dores. Como qualquer outra pessoa. Onde está a diferença? De onde vem minha paz de espírito? Eu acredito que eu não sou o autor. Sou forçado a desfrutar do prazer ou sofrer a dor. Para outra pessoa, ela acredita que todos são fazedores. Para ela também, às vezes prazer, às vezes dor. Onde está o problema? Qual é o ponto? O que você acha, Suhas? Acreditando que eu seja o autor ou não, eu tenho de desfrutar do prazer ou sofrer da dor. A mesma coisa para qualquer um. Então, onde está a grande coisa que eu tenho que sou capaz de aceitar totalmente que eu não sou o autor, o que me traz paz de espírito? Simples e honestamente, o que acontece é, eu certamente desfruto do prazer, sabendo que não é minha ação, não pode haver qualquer orgulho ou arrogância. Não é da minha alçada. Prazer, mas não orgulho e arrogância. Da mesma forma, a dor eu tenho de aceitar, sabendo que não é minha ação. Enquanto eu sofrer a dor, eu não preciso me sentir culpado. Prazer, mas não orgulho. Dor, mas não a culpa. Similarmente, quando alguém machuca. Dor, mas não ódio. Com o resultado que eu vivi minha vida momento a momento esses últimos vinte estranhos anos. Aproveitando o prazer ou sofrendo a dor sobre os quais eu não tenho controle, mas meu ego foi totalmente libertado do orgulho e da arrogância, da culpa e da vergonha por meus atos e do ódio para com o outro. Uma ausência de ódio por meus atos e ódio pelo outro, significa uma presença de paz de espírito. Simples. Que é o que temos procurado. Então, aonde chegamos até agora? Primeiro, eu tenho total de livre-arbítrio para fazer o que eu quiser. Depois disso, a vontade de Deus prevalece. Sobre a qual não tenho controle. Isso é o que concluimos. E que você acredita, que tudo o que eu lhe disse da minha experiência pessoal, é precisamente o que o Senhor Krishna disse a Arjuna no Bhagavad Gita. Nada mais. É verdade muitas outras coisas também, mas basicamente, qual era o problema de Arjuna? O Senhor levou sua carruagem bem na frente do exército. E o que Arjuna viu? Irmãos, primos e amigos. E Gurus! Como seus inimigos! Então ele disse, mesmo meus amigos e parentes, estou preparado para matar! Mas eu não vou matar meu Guru. Então, ele baixou seu arco e flecha. Esse é o começo do Bhagavat gita. Então, nessa situação, o que o Senhor Krishna disse a ele? Ele disse: "Você tem o direito total a agir, você tem o direito de ação." Por que ele disse isso? Porque a menos que todos tenham total livre arbítrio para fazer o que quiserem, o mecanismo da vida diária não pode acontecer.
Então, o Senhor Krishna diz a ele, você tem o direito de agir, mas você não tem direitos dos frutos de sua ação. E prontamente, o especialista em gestão diz: que conselho estúpido! Como pode um homem trabalhar sem motivação? Como Deus pode esperar que trabalhemos sem qualquer motivação? Qual é a falha nesse argumento? A falha neste argumento é, o que o Senhor disse a Arjuna? Você tem total livre arbítrio para fazer o que quiser. E o que você quer? Você quer o que você quer. Então, como você pode dizer que não há motivação? Eu sou livre para fazer o que quiser, a fim de obter o que eu quiser. Motivação total. Então, eu tenho o direito de fazer o que eu quiser a fim de conseguir tudo o que quero. Eu tenho esse direito. E em situação idêntica, o psicopata também tem esse direito. É o mecanismo de vida diária. Portanto, em uma situação, Suhas, suponhamos que agora eu posso conseguir o que eu quis por muito tempo. Em uma situação, eu decidi que não devo fazer nada ilegal ou imoral. Em uma situação idêntica, o psicopata diz, eu esperei o tempo suficiente para isso, agora eu não vou deixar que nada interfira em meu objetivo. Estou preparado para fazer qualquer coisa para conseguir isso, incluindo cometer um assassinato. Você vê o que quero dizer? Nós temos livre-arbítrio total, na medida em que mesmo um psicopata pode decidir fazer o que ele quiser. Mas o que realmente acontece, nem eu nem o psicopata temos qualquer controle. Em outras palavras, mesmo tendo cometido o assassinato, o psicopata pode não conseguir o que ele queria. Mesmo restringindo minhas ações ao que seja legal e moral, eu possa conseguir ou poderia ser o contrário. Entende o que quero dizer?
O que acontece é a vontade de Deus. E é precisamente isso que o Senhor Krishna disse a Arjuna. Você é livre para fazer o que quiser. Mas o que realmente acontece, nunca esteve em seu controle. Você não tem o direito dos frutos de sua ação. Você fez o seu melhor. Você não pode exigir que consega o que deseja. Assim, a essência do que o Senhor Krishna disse a Arjuna é precisamente o que eu disse a você no mais simples dos termos. Portanto, não é uma grande filosofia. Claramente, na vida diária, qualquer coisa que eu queira fazer é o meu livre arbítrio. Tudo o que acontece depois disso é a vontade de Deus. E, o ponto realmente importante aqui é que o que acontece, pode não apelar para o meu senso de lógica e de razão. Eu fiz algo dentro da lei, ainda não consego o que quero. O psicopata cometeu um assassinato, mas ele consegue o que quer! E falando de assassinato, qual é a experiência de todos no mundo? Um assassinato é cometido. Às vezes, o assassino é capturado, detectado e executado. Isto está de acordo com a nossa lógica. E, às vezes, o assassino é capturado, levado a tribunal e o júri decide que não existem provas suficientes e o assassino é libertado e ele comete mais dez assassinatos! Isso não apela para o nosso sentido de lógica. Isso não é justo. Isso não é certo. Mas isso já aconteceu, e mais do que isso, tantas vezes, um homem inocente foi executado por um crime que não cometeu.
Assim, meu ponto é, nós temos o direito de ação, mas o que acontece, nunca esteve em controle de ninguém. E, pode não nos parecer lógico. O homem inocente sendo executado é parte da vontade de Deus, da lei cósmica. Em que base? Com base que a lei cósmica é tão vasto, tão complexa e nosso raciocínio é muito simples. Nós lemos um livro sobre lógica outro livro sobre direito entendemos. Mas a lei cósmica, diz respeito a todo o universo, a todas as épocas. Como pode uma coisa tão complexa, tão vasta ser inteligível para o cérebro humano? Portanto, o que posso aceitar é que tudo o que acontece é por vontade de Deus, ou da lei cósmica, sobre a qual nenhum ser humano pode compreender. Mas esse fato importante, a sociedade não a aceitou. A religião não aceitou. Eles têm de entender a lei cósmica. Também a teoria do karma. Por que o homem inocente é executado? Porque na sua vida anterior ele fez uma coisa ou outra. A Mente fica satisfeito. O que há de errado nisso? Por que o assassino é deixado ir? Porque em seu último nascimento ... O que está errado nessa idéia? Que algo é transferido de uma vida para outra é óbvio. Idiotas de um lado e gênios do outro não teriam nascido. Fato de que há bebês deficientes, algo é transferido ... Mas o que é transferido,  nunca podemos saber. O que eu posso saber, uma coisa que eu sei que não é transferida de um nascimento para o outro é o ego. Suhas, Kalpana, Ramesh têm relação apenas com esta vida. Por quê? Porque o ego não veio com o corpo. O organismo corpo-mente nasceu como um objeto tridimensional. O que faz um bebê recém-nascido? intuitivamente, procura o seio da mãe para seu sustento. Mas o bebê não tem a menor idéia de que ele é uma entidade separada, à procura de uma mãe separada, atrás do leite que ele quer. Dessa forma, o ego, no sentido de ser uma entidade separada, vem com a idade de 1 ou 2. Assim, o ego não vem com o corpo, e por isso não é trazido após a morte do corpo. O que é o ego? A consciência impessoal que se identifica com um corpo especial com um determinado nome é o ego. Portanto, o que é o ego? É a consciência impessoal. Ego é Deus! Mas Deus não no seu esplendor magnífico total, mas um esplendor aprisionado. A Consciência impessoal, magnífico esplendor total, no momento que ela torna-se Ramesh, Kalpana ou Suhas, torna-se aprisionada. Então, o que é o ego? A consciência impessoal, mas em sua fase aprisionada, onde ela perdeu sua impessoalidade. O ego não é nada além da consciência impessoal que desistiu de sua impessoalidade e assumiu uma personalidade individual especial. Assim, quando o organismo corpo-mente da seu último suspiro, a consciência aprisionada dentro dele é liberado e torna-se a consciência impessoal.
A consciência impessoal que se identificou com um objeto tridimensional em particular na idade de dois ou três anos, é liberada da escravidão e recupera a sua impessoalidade. É por isso que o ego não tem relação com o que é transferido de uma vida para a outra. Portanto, com base nisso, o ser humano só pode aceitar que ele é livre para fazer o que quiser, mas o que quer que aconteça depois disso nunca estará em seu controle, e ele tem de viver com isso. E para mim, esse é o entendimento final na vida diária. É o entendimento final. Em qualquer situação, sou livre para fazer o que quiser. Em qualquer situação, se eu quiser melhorar a mim mesmo, nada pode me parar. Fisicamente, mentalmente, no meu temperamento, espiritualmente, eu sou livre para fazer o que quiser. Com o entendimento que, eu posso ou não, conseguir o que eu estou tentando obter! Portanto, não há maneira mais simples de viver a nossa vida, sem qualquer tensão ou estresse, do que saber que o que o fluxo da vida me traz não está no meu controle. Em vez de tensão ou estresse que o fluxo da vida me traz, prazer e dor no momento, há uma maneira de viver em que estou totalmente livre? Eu digo sim. Tendo o entendimento final nos últimos vinte anos, eu vivi minha vida em qualquer situação, fazendo o que quer que achasse que eu deveria fazer, e tendo feito isso, aconteça o que acontecesse, não esteve sob meu controle. Portanto, havendo feito tudo o que eu pensei que eu deveria fazer, não precisei me preocupar, “cometi um erro? Cometi um pecado?” Quem se importa? Quem decide? Tenho vivido uma vida bela nos últimos vinte estranhos anos, tendo feito tudo o que eu quis fazer, sem me preocupar "Será que eu cometi um erro? Será que cometi um pecado?” Testemunhando o que quer que aconteça, como algo que acontece nos termos da lei cósmica, sem condenar ninguém por nada. Pode a vida ser mais simples do que isso? Eu repito. Tendo feito tudo o que eu queria ter feito, sem orgulho ou arrogância, culpa ou vergonha, sem odiar ninguém, com a total liberdade de fazer o que eu queria, com a total compreensão de que eu jamais poderia cometer um erro ou cometer um pecado. Porque tudo o que eu tenho feito é o que Deus esperava que eu fizesse. A qualquer momento, o que eu decidir fazer, o que for que o psicopata decidir fazer, estará baseado apenas em dois fatores. Os meus genes e condicionamento, os genes do psicopata e o seu condicionamento. Eu não escolhi nascer dos meus pais, então eu não tinha nada a ver com os genes com os quais eu nasci, o psicopata não tinha nada a ver com os genes no seu objeto tridimensional. E como você sabe, mais e mais pesquisas trazem à tona o fato de quão poderoso é este fator. Qualquer coisa que eu pensar ou fazer, pode ser atribuída a um determinado gene. Qualquer doença que acontece pode ser atribuída aos genes. A mais recente pesquisa, que me fez rir, sou fiel a minha esposa? Eu não tenho de tomar o crédito por isso. Meus genes irão obrigar-me a ser fiel a minha esposa. Da mesma forma, se eu não sou fiel ao meu parceiro, é devido aos meus genes. Eu não precisa me sentir culpado. Os genes são um fator absurdamente poderoso. O outro fator é o condicionado. Juntos, eu lhes chamo de programação de um organismo corpo-mente. Assim como eu não tinha controle sobre ter nascido desses pais em particular, eu não tive controle sobre a nascer em um ambiente geográfico em particular e do ambiente social. Classe média alta, classe média, classe média baixa ou da classe baixa. Em qual ambiente este corpo-mente organismo foi bombardeado com condicionado desde o primeiro dia; isso é bom, isso ruim, isso é um comportamento socialmente aceitável, isso é um pecado, Deus vai castigá-lo. De modo que, em qualquer ponto, o que quer que tenha pensado e feito, esteve estritamente limitado a estes dois fatores. Os genes e o seu condicionamento corrente, pelos quais Deus é responsável. Eu digo condicionamento corrente, porque eu quero deixar claro. O que está acontecendo agora é um novo condicionamento. Que pode alterar ou corrigir o seu condicionamento corrente ou mesmo transformá-lo. Isso também acontece. Assim, meu ponto é, o que quer que qualquer pessoa já tenha feito foi baseado nesses dois fatores. Os genes e o condicionamento. Então, como posso jamais cometer um pecado? Portanto, eu não preciso temer a Deus de modo algum. Na verdade, de fato, Deus tem operado através de mim. Então, eu não tenho a temer a Deus e nada me impede de amar a Deus! Como meu criador, é entre eu e meu Deus. Mas no que diz respeito a sociedade eu sou totalmente responsável. Portanto, o que quer que a sociedade me der, eu tenho de aceitar. Prazer eu aprecio, Dor eu sofro. Mas sem engano, sem culpa, sem pecado! Não é uma maneira perfeita de viver nossa vida? Com paz de espírito! É sobre isso que eu falo. Nenhuma religião ... Isso é tudo o que eu estou preocupado? Sim! Esta vida, este corpo, é tudo com que estou preocupado. E quanto a mudar o mundo? Não estou preocupado com isso.Deus criou o mundo, deixe que Ele lide com isso. Pergunta válida. Estou falando de alguém razoavelmente confortável na vida. Eu não sinto nada pelas milhões de pessoas abaixo da linha da pobreza? Por aqueles que sofrem com doença e pobreza, eu não sinto nada? Isso também não é verdade. Com uma sensibilidade mediana, sinto sim por aqueles que sofrem de pobreza e doença. Mas o ponto é, nessa situação, em que eu sinto pelos pobres e os doentes, há algo que eu posso fazer? Esse é o mecanismo da vida diária. Dessa forma, muitos anos atrás eu disse, eu sinto por aqueles que são pobres e com fome. Nessa situação há algo que eu possa fazer? E eu decidi, sim existe. Assim, uma determinada percentagem da minha renda, eu dou para a caridade a essas instituições que lidam com esse problema. Tendo feito o que podia para essa situação, eu deixo o assunto para Deus. Então, meu ponto é, em qualquer situação, é muito mais fácil dizer que Deus criou, deixe Deus lidar com isso e eu fico com meu dinheiro. Ou, a segunda alternativa, eu dou algum dinheiro para as instituições que lidam com o problema e, posteriormente, deixo o assunto para Deus. Assim, resta alguma questão? Não, entrega total! Como eu lhe disse, para ter esse entendimento da não-autoria, a aceitação tem de ser total. Intelectualmente, até mesmo um idiota completo vai aceitá-lo. Sem mais carga de culpa e vergonha ... Mas o conceito não pode funcionar a menos que a aceitação seja total.
Então é uma pergunta válida. Qual é a pergunta? Suhas, Kalpana, qual é a pergunta? É simples. Eu não tenho nenhuma dúvida de que eu tenho a total aceitação intelectual que eu não sou o autor. Ninguém mais é autor das ações. Mas a questão é, o que tenho que fazer para ter a aceitação total de que eu não sou o autor? A resposta é - nada. Se eu não sou o autor, o que posso fazer? Coisa nenhuma! O que significa, isso vai acontecer apenas se for o meu destino, a vontade de Deus, da lei cósmica, que isso está destinado a acontecer. Caso contrário, isso não vai acontecer. Mas então surge outra pergunta válida. Tenho sido um buscador espiritual por muitos anos. Eu sempre fiz alguma coisa ou outra - jejum, meditação, durante todos esses anos. E, nada a fazer, apenas esperar por Deus decidir-se, eu estarei perdido. Portanto, a fim de passar o meu tempo, há algo que eu possa fazer como uma prática espiritual? É uma questão válida. Para isso, eu tenho uma resposta. Investigação pessoal. Muito simples, porque você não está realmente fazendo isso. Investigação pessoal. Se você tiver tempo durante o dia, a qualquer hora. Mas se você encontrar-se ocupado durante todo o dia, faça no final do dia. Sente-se calmamente, tente garantir que haja nenhuma perturbação e esteja confortável. Você não tem que se sentar no chão com as costas retas, sente-se na cadeira mais confortável. E, a fim de ter conforto se você gosta de um pouco de café, tome. E faça algo simples, o que eu chamo de investigação pessoal. E isso é, dos muitos eventos do dia, cuja maioria você vai concordar, apenas aconteceram, selecione uma ação que você tem certeza que foi sua ação.
Não sei dos outros, mas esta é a minha ação. E posso desafiar qualquer um para me provar que não foi minha ação. Essa ação, eu aposto que foi minha ação. Então, essa ação, que chamo de minha ação, eu decidi fazê-la em um determinado momento? Não. Então como é que a ação aconteceu? E então você se lembra, um pensamento tinha acontecido, uma ideia havia ocorrido. E esse pensamento se transformou em minha ação. E eu não tive controle sobre esse pensamento ou ideia. Então, como posso chamá-la de minha ação? Ação após a ação, você investiga. E eu garanto, a cada vez, você vai chegar à conclusão, se eu não estivesse em um determinado lugar e hora, e visto alguma coisa, minha ação não teria acontecido! E eu não tinha controle sobre estar em um determinado lugar em um determinado momento, e visto algo, ou ouvido alguma coisa, ou experimentado algo ou tocado em algo, a minha ação não teria acontecido. Cada vez, sem exceção. E quando você tiver feito esta investigação por si mesmo, a aceitação deve ir cada vez mais e mais fundo. Até que em um determinado momento, com a vontade de Deus e da lei cósmica, é provável que aconteça um lampejo de compreensão. Eu simplesmente não posso ser o autor. E se eu não posso ser autor, o outro não pode ser um autor também. Acreditando nisso ele ou não, não importa. Eu sei, por experiência própria, que eu não posso ser o autor das ações de modo que o outro também não é. Depois desse flash, não devem permanecer mais dúvidas. E, esse é o meu conceito.

Suhas: O pensamento que surge em nossa mente, é nosso pensamento.

Ramesh: Não! Esse é o ponto. Suhas, você tem algum controle sobre qual o próximo pensamento vai ser?

Suhas: Não.

Ramesh: Ninguém tem. Mesmo se Deus nascesse na terra, Ele não teria nenhum controle sobre o pensamento seguinte. Porque ele teria tornado-se um ser humano. A consciência impessoal tornou-se a consciência identificada. Ninguém tem qualquer controle sobre que pensamento pode ocorrer. Portanto, ninguém pode dizer ‘eu nunca vou fazer isso ou eu nunca vou fazer aquilo’. Ninguém pode dizer isso. Qualquer pensamento pode vir e qualquer pensamento pode trazer uma ação, sobre as quais você não tem controle. Você já ouviu falar do sábio Parashar? Parashar era suposto ser uma pessoa tão extraordinariamente inocente, que se Parashar passasse pelo lugar de banho as mulher nem se preocupavam de se cobrir. De tão transparentemente inocente. Então, o que aconteceu com Parashar? Ele queria atravessar um rio. Então, ele entrou num barco. E quem estava navegando-lhe através do rio? Uma jovem pescadora. E o que aconteceu? Esse exemplo de inocência, ficou encantado com a jovem pescadora de 16 anos de idade, Matsyagandha. Ela estava com cheiro de peixe, mas Parashar ficou apaixonado por ela e a paixão era recíproca. O resultado foi que eles viveram juntos e uma criança nasceu. Depois de um tempo, Parashar disse a pescadora que voltaria depois de dez ou doze anos, eu se encarregaria da criança, pois era seu filho. Nesse meio tempo, disse que ela poderia pedir três bênçãos, que ele as concederia, pois ele tinha esse poder. A primeira coisa que ela pediu foi: Tire o meu cheiro de peixe. Feito. Em seguida, você vai ter ido embora, tenho apenas 17 anos de idade, eu gostaria de me casar. Então, eu gostaria de ter minha virgindade de volta! Feito. Eu esqueci o terceiro pedido, mas o ponto da história é, ele voltou para pegar seu filho depois e você sabe quem o filho era? O sábio Vyas, que escreveu o Mahabharata. Então, o que podemos dizer? Parashar fez tal coisa errada, de modo que o sábio Vyas nasceu. Não. Meu ponto é, porque um sábio como Vyas tinha de nascer, seu pai tinha de ser alguém extraordinário, como Parashar. Assim, meu ponto é, nós pensamos apenas em termos de causa e efeito. A tinha de acontecer e B aconteceu então C aconteceu. Mas eu digo, E tinha de acontecer, portanto D aconteceu, C aconteceu ... Causa e efeito, uma seta de ponta dupla. Então, se alguma coisa tinha de acontecer mais tarde, cem anos mais tarde, então o que aconteceu levou a isso e tinha de acontecer também. Portanto, causa e efeito. Um efeito traz uma causa e a causa provoca o efeito também. É você de Mumbai?

Suhas: Sim.


Ramesh: Se surgir alguma dúvida, vocês são muito bem-vindos para vir novamente.

7 comentários:

  1. Agradeço imensamente tudo que você posta sobre Ramesh S Balsekar.

    ResponderExcluir
  2. otimo blog, jah li muitas postagens antigas, e sempre fico contente em quando posta uma nova

    ResponderExcluir
  3. Posta mais do Ramesh Balsekar....

    ResponderExcluir
  4. Pararam as postagens?

    ResponderExcluir
  5. Ótima reflexao com o sábio Ramesh. Muito bom. Espero que as postagens continuem.

    Abraço

    ResponderExcluir